La comunicación en la gestión de la sostenibilidad en las organizaciones

Margarida M. Krohling Kunsch

Resumen

Este artículo presenta la síntesis de un estudio empírico realizado en organizaciones brasileñas, cuyos principales objetivos han sido mapear, describir y analizar las políticas y estrategias de comunicación para la gestión de la sostenibilidad. Describe y analiza los principales resultados, destacando los medios de comunicación y las prácticas de comunicación en la promoción de la sostenibilidad utilizado por estas organizaciones en sus relacionamientos con las diversas partes interesadas. Se centra en reflexiones sobre el poder de la comunicación en la sociedad contemporánea y el papel reservado a los tres segmentos: el gobierno, el tercer sector y, en particular, las organizaciones privadas en el desarrollo de la comunicación en los procesos de gestión de la sostenibilidad. Apoya la necesidad de una mayor conciencia y sensibilización de todos los actores sociales en la preservación del planeta Tierra.


Palabras clave

Comunicación; Estrategias; Gestión; Organizaciones; Políticas; Sostenibilidad

Referencias

ALMEIDA, F. (2007). Os desafios da sustentabilidade: uma ruptura urgente. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

ALMEIDA, Fernando. (2012). Desenvolvimento sustentável, 2012-2050: visão, rumos e contradições. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

ASSADOURIAN, E. (2010). Ascensão e queda das culturas de consumo. In: The Worldwatch Institute. O estado do mundo 2010: transformando cultura: do consumismo à sustentabilidade. Salvador, BA: Editora Uma.

BOFF, L. (2004). Ecologia: grito da terra, grito dos pobres. Rio de Janeiro, RJ: Sextante.

BOFF, L. (2012). Sustentabilidade: o que é, o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes.

BROWN, L. R. (org.). (1992). Qualidade de vida, 1992: salve o planeta. Trad. De Newton Roberval Eichemberg. São Paulo, SP: Globo.

BROWN, L. R. (2009). Plano B 4.0: mobilização para salvar a civilização. São Paulo, SP: New Content.

CAPRA, F. (1997). A teia da vida: uma nova compreensão dos sistemas vivos. São Paulo, SP: Cultrix - Amana-Key.

CASTELLS, M. (2003). A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

CASTELLS, M. (2009). Comunicación y poder. Madri: Alianza Editorial.

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (RIO+20). O futuro que queremos. Documento final da Conferência, 2012. In http://www.onu.org.br/rio20/documentos/.

DIAS, R. (2006). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo, SP: Atlas.

ELKINGTON, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo, SP: Makron Books.

GIDDENS, A. (1991). As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp.

HART, S. L. (2006). O capitalismo na encruzilhada: as inúmeras oportunidades de negócios na solução dos problemas mais difíceis do mundo. Porto Alegre, RS: Bookman.

IANNI, O. (1994). A sociedade global. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

KUNSCH, M. M. K. (1997). Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo, SP: Summus, 1997.

KUNSCH, M. M. K. (2003). Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4a. ed. – rev., ampl. E atualiz. São Paulo, SP: Summus, 2003.

KUNSCH, M. M. K. (org.) (2009a). Comunicação organizacional. Vol. 1. Histórico, fundamentos e processos. São Paulo, SP: Saraiva.

KUNSCH, M. M. K. (org.). (2009b). Comunicação organizacional. Vol. 2. Linguagem, gestão e perspectivas. São Paulo: Saraiva.

KUNSCH, M. M. K. (org.). (2009c). Relações públicas: história, teorias e estratégias nas organizações contemporâneas. São Paulo: Saraiva.

KUNSCH, M. M. K. (2009d). A comunicação para sustentabilidade das organizações na sociedade global. In: KUNSCH, M. M. K.; OLIVEIRA, Ivone de Lourdes (Orgs.). A comunicação na gestão da sustentabilidade das organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, p.57-81.

KUNSCH, M. M. K.; KUNSCH, W. L. (orgs.) (2007). Relações públicas comunitárias: a comunicação em uma perspectiva dialógica e transformadora. São Paulo, SP: Summus.

KUNSCH, M. M. K. & OLIVEIRA, I. de L. (Org.). (2009). A comunicação na gestão da sustentabilidade das organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora.

LEFF, E. (2007). Epistemologia ambiental. 4. ed. – revista. São Paulo, SP: Cortez.

MOYA, I. M. S. (2012). Rio+20: o espaço da comunicação no enfrentamento dos desafios globais. (2012). Trabalho apresentado no Grupo de Pesquisa de Relações Públicas e Comunicação Organizacional, no XII Encontro dos Grupos de Pesquisa em Comunicação, evento componente do XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Fortaleza, CE: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom); Universidade de Fortaleza (Unifor).

NAESS, A. (1997). Ecologia profunda: um novo paradigma. In CAPRA, F. (1997). A teia da vida: uma nova compreensão dos sistemas vivos. São Paulo, SP: Cultrix - Amana-Key.

OLIVEIRA, J. A. P. de. (2008). Empresas na sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

PAINEL DE ALTO NÍVEL DO SECRETÁRIO GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE SUSTENTABILIDADE GLOBAL. (2012). Pessoas resilientes, planeta resiliente: um futuro digno de escolha. Nova York: Nações Unidas. In http://www.onu.org.br/docs/gsp-integra.pdf.

PÉREZ, R. A. (2008). Estrategias de comunicación. 4. ed. Barcelona: Editorial Ariel.

RIO+20, CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. (2012). O futuro que queremos. Documento final da Conferência. In http://www.onu.org.br/rio20/documentos/. Acesso em: 22/06/2012.

ROCKSTRÖM, J. et al. (2009). A safe operating space for humanity. Nature, 461, 472-475.

SCHWERIN, D. A. (2000). Capitalismo consciente: como criar o sucesso do futuro inspirando-se na sabedoria do passado. Trad. De Mirtes F. de Oliveira Pinheiro. São Paulo, SP: Cultrix.

SENGE, P. et al. (2007). Presença: propósito humano e o campo do futuro. Trad. De Gilson César C. de Sousa. São Paulo, SP: Cultrix.

TACHIZAWA, T. & GARRETT, A. (2008). Indicador de desenvolvimento humano organizacional: novas dimensões da cultura corporativa. São Paulo, SP: Editora de Cultura.

VEIGA, J. E. da. (2010). Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo, SP: Editora Senac.

VEIGA, José Eli da. (2006). Meio ambiente & desenvolvimento. 2. ed. São Paulo. SP: Editora Senac.

VIOLA, E. (1996). Reflexões sobre os dilemas do Brasil na segunda metade da década de 1990 e sobre uma agenda de políticas públicas baseada na democracia, na equidade, na eficiência e na sustentabilidade. Trabalho para o workshop “Meio ambiente, desenvolvimento e política de governo: bases para a construção de uma sociedade sustentável no Brasil (Levando em conta a natureza). Olinda, PE: Fundação Joaquim Nabuco.

WCED. (1991). Nosso futuro comum. [Relatório da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento]. Rio de Janeiro: FGV.

WOLTON, D. (2006). É preciso salvar a comunicação. São Paulo, SP: Paulus.

WOLTON, D. (2004). Pensar a comunicação. Brasília: Editora da UnB.




DOI: https://doi.org/10.14198/MEDCOM2015.6.2.02





Copyright (c) 2015 Revista Mediterránea de Comunicación conserva los derechos patrimoniales (copyright) de las obras publicadas, y favorece y permite la reutilización de las mismas bajo la licencia de uso CC BY-SA 3.0 ES.

URL de la licencia: http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/es/